segunda-feira, 9 de julho de 2018

Como está atualmente Oxana Malaya, a menina cachorro da Ucrânia?

Reprodução
Durante cinco anos, a menina ucraniana Oxana Malaya viveu entre cães e sobreviveu comendo carne crua, resto de alimentos e sucatas. Após ser abandonada aos três anos de idade, ela adaptou-se a uma série de hábitos caninos, incluindo não aprendendo a falar.
De acordo com reportagens feitas pelo 'Telegraph', 'The Age' e até um documentário realizado pelo 'Discovery Channel', a menina teria sido abandonada por ter nascido do sexo feminino e simplesmente colocada do lado de fora da casa, no frio do inverno da Ucrânia. O instinto de sobrevivência fez com que a menina fosse para o canil, vivendo por lá durante anos.
Quando foi achada, em 1991, ela estava correndo de quatro e latindo. Se tinha uma coceira atrás da orelha, coçava com o pé. Ela foi levada para um orfanato, onde foi educada até a idade adulta. Lá ela aprendeu a andar em pé, comer usando as mãos e, com muita dificuldade, também aprendeu a falar.
De acordo com a psicóloga infantil britânica Lyn Fry, especialista em crianças selvagens, ao se deparar com a menina disse que, “esperava alguém muito menos humano”.
Hoje aos 34 anos, ela faz parte da lista de cerca de 100 pessoas conhecidas no mundo como 'criança-selvagem', ou seja, criada com animais. Hoje em dia Malaya, supostamente, cuida de vacas na fazenda da casa onde ela reside, em Baraboy, Odessa, o que seria um local destinado à pessoas com deficiência mental.
“Sua experiência foi suja, terrivelmente deteriorada e primitiva”, disse Fry em entrevista ao documentário sobre a vida da menina. Em 2006 ela se reencontrou com seu pai, algo que queria há bastante tempo. Já a mãe, a quem Oxana não vê desde a infância, ninguém sabe onde está.*Com informações de Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O site Cruz das Almas News coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático.

Obrigado