sexta-feira, 30 de março de 2018

Ato lembra mais de 40 crianças mortas em tiroteios no Rio de Janeiro

Por: Cruz das Almas News - Informações e fotos: Agência Brasil
Um ato promovido pela organização não governamental Rio de Paz fez nesta sexta-feira (30/03) uma homenagem a 47 crianças até 14 anos que morreram em tiroteios no estado do Rio de Janeiro, de 2007 a 2018. A manifestação, que foi realizada nas areias da Praia de Copacabana, coincidiu com o primeiro aniversário da morte de Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, que foi atingida por uma bala perdida dentro de sua escola, em Acari.
Maria Eduarda estava no ginásio da Escola Municipal Daniel Piza, quando foi atingida por tiros disparados por um policial militar, que participava de uma operação na comunidade. Os policiais Fábio de Barros Dias e David Gomes Centeno foram denunciados por homicídio.
O processo corre na 3ª Vara Criminal do Rio de Janeiro e os dois respondem em liberdade, mas precisam comparecer, de tempos em tempos, ao juízo. Segundo a Polícia Militar, por enquanto, os dois estão executando trabalho administrativo, ou seja, não estão fazendo trabalho de patrulhamento ou policiamento de ruas.
A família de Maria Eduarda pede ainda, na Justiça, uma indenização ao Estado. Os parentes também querem apoio psicológico para superar o trauma.
O ato da ONG Rio de Paz envolveu a colocação de varais com placas que traziam o nome de cada uma das 47 vítimas. Além disso, havia pertences das vítimas e manchas vermelhas na areia, que simbolizavam o sangue das crianças.
Durante o protesto, dezenas de colegas de escola de Maria Eduarda fizeram um minuto de silêncio em homenagem às crianças. Outra das vítimas homenageadas foi o menino Jeremias Moraes da Silva, morto, segundo a família, por policiais militares dentro da favela Nova Holanda.
“A gente vê um caveirão entrando numa comunidade, a gente já sai correndo, porque sabe que ele vai atirar. A criança estava de costas na porta de uma irmã da igreja. Por que a polícia atirou? Não consigo ter essa resposta. Ele não estava armado, não estava com drogas, não estava com nada. A polícia atirou por quê? ”, disse a mãe do menino, Vânia Moraes da Silva.
Segundo o presidente da ONG Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, muitas dessas mortes ocorreram em confrontos envolvendo a polícia. Segundo ele, as autoridades públicas não podem deixar os criminosos agirem impunemente, mas o trabalho de segurança pública deveria ser feito com mais inteligência, de forma a não fazer vítimas inocentes.
“Ninguém quer bandido solto, aterrorizando, matando. Mas ninguém quer que uma criança pague com o seu sangue o preço de uma pacificação que nunca chega”, disse.
Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Segurança informou que publicou, em agosto do ano passado no Diário Oficial do Estado, uma instrução que estabelece diretrizes para ações em localidades onde se presume que possa ocorrer elevado risco de confronto armado com criminosos. “As diretrizes foram elaboradas por um grupo de trabalho instituído em julho de 2017 e possui como primeiro princípio a preservação da vida dos moradores dessas áreas e dos policiais”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O site Cruz das Almas News coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

Contamos com a educação e bom senso dos nossos internautas para que este espaço continue sendo um ambiente agradável e democrático.

Obrigado